quarta-feira, 25 de maio de 2016

O Jesus real

O Jesus real

É muito comum que as pessoas façam diversas imagens a respeito de Jesus Cristo Nosso Senhor. Lendo alguns textos e ouvindo alguns palestrantes nota-se que é mesmo difícil de chegar à conclusão real de quem era Nosso Senhor.

A imagem neste texto, apesar de ser uma charge, demonstra claramente, muito mais pelo texto do que pela imagem em si que, algumas pessoas têm a impressão de que Jesus era uma espécie de Hippie paz e amor. Isto denota claramente a ausência de conhecimento das classes da sociedade Judaica e dificultam a materialização das imagens.

Outro grupo, e para nossa surpresa, alguns padres católicos, tem em sua cabeça a visão de que Jesus era um sujeito revolucionário, pronto para fazer a revolução do amor no mundo e lutar contra o sistema imperialista capitalista dos ricos.

Alguns outros têm a visão de que Jesus era um ser alienado de sua cultura e de seu tempo, e que só pensava em ficar nos Rios, montanhas e florestas colhendo flores e filosofando.

Eu confesso que por muito tempo eu tinha mesmo a impressão que Jesus era o difusor do Reino dos Céus na terra e que queria acabar com o capitalismo selvagem e imperialista da sociedade judaica. Mas de onde vêm essas visões tão diferentes?

Algumas Bíblias em seus escritos e traduções apresentam uma conotação tendenciosa na tradução e dão uma ênfase às vezes socialista, às vezes comunista, às vezes hippie a Nosso Senhor, o que nos faz ficarmos confusos. 

Em alguns casos o disparate é tamanho que é realmente impossível reconhecer se nosso Senhor Jesus Cristo era mesmo o filho de Deus ou um jovem doido que fazia de tudo para chamar a atenção, sumindo no templo, respondendo mal a sua mãe, debochando das autoridades, dizendo coisas controversas a cada tempo. Note que nada disso é a visão real a respeito de Nosso Senhor, esta é uma visão deturpada de quem realmente era Jesus.
O fato é que a tradução dos textos sagrados vem sendo alterada do original para se adequar a determinadas linguagens e interesses. A Bíblia de Jerusalém tenta manter, pelo menos ao meu ver, a tradução mais literal possível das passagens bíblicas, em alguns casos, fica até difícil entender. A Bíblia Ave-Maria já é mais utilizada pelo pessoal da Renovação Carismática e traz uma interpretação mais inclinada a oração do que a bíblia de Jerusalém. A Bíblia Pastoral já traz uma visão mais social dos assuntos abordados, sendo que em alguns momentos até mesmo alguns milagres são traduzidos para fenômenos sociais. A bíblia TEB é uma edição ecumênica que serve para estudos que serão realizados fora do ambiente católico e em encontros conhecidos como cristãos, eles tentam apresentar tal Cristo Universal.

Diante de tamanha diversidade de interpretações, como concluir sobre a pessoa de Jesus? Algumas dicas encontram-se na própria bíblia embora de maneira muito sutil. 

No evangelho diz que o menino crescia em sabedoria e em graça. Logo, se pode entender que era um jovem promissor para os padrões da época. Ou seja, seus pais estavam orgulhosos dele e sabiam que podiam esperar grandes coisas da criança.

No livro de São João, podemos observar que Nosso Senhor tenta a todo o momento deixar claro sua obediência ao plano de Deus. Ele diz a todo o tempo que veio para fazer a vontade do Pai.

Era Jesus um hippie? Não me parece o caso, durante diversos exemplos e parábolas, Nosso Senhor deixa claro a importância do trabalho e do respeito à hierarquia e as leis. Tem a parábola do filho prodigo, tem a parábola do Mestre que sai para convidar trabalhadores para a sua messe, tem a passagem do pagamento dos impostos onde ele diz: Daí a Deus o que é de Deus e a Cesar o que é de Cesar.

Se Nosso Senhor fosse realmente um hippie fumador de maconha, ele diria: - “César que se lasque”.
Era Jesus um adepto de destruir o sistema opressor capitalista e fazer uma distribuição de renda igualitária?

Tampouco me parece o caso, veja que no momento mais crucial da vida de Jesus ele diz: “Meu  reino não é deste mundo. Se fosse deste mundo...” – Entendo aqui que o Nosso Senhor deixa claro sua visão e intenção de cumprir a vontade de Deus e não de abraçar um projeto ideológico de Reino de Deus na Terra.

O pensamento revolucionário, ao menos na bíblia, era visto na pessoa de Judas Iscariotes e de Barrabas que, sabe-se, eram vistos integrantes de grupos agressivos e buscavam iniciar uma revolução ou, pelo menos, sabotar os planos das autoridades em prol de uma causa, lutar contra o império Romano, etc.

Jesus ajudou ainda muitas pessoas que precisavam, fossem pobres, ricos, prostitutas, leprosos, a filha do centurião romano, alimentou 5000 homens, com isso muita gente pensa que Jesus defendia uma causa humanitária que deve ser extremada que culmina na criação do Reino de Deus na terra. Acredito que esta visão também seja um tanto deturpada.

Veja, quando Judas Iscariotes comenta que era um disperdicio da parte de Maria quebrar um vaso de alabastro e despejar o perfume nos pés de Jesus como prova de seu agradecimento que seria mais proveitoso que desse o dinheiro aos pobres, Nosso senhor lhe diz: - “Pobres sempre os terão, a mim nem sempre...”. - e São João emenda um comentário dizendo: “Judas não disse isso porque se preocupava com os pobres, mas porque era ladrão e sempre que tinha oportunidade tirava da bolsa da coleta para si (...)”. Neste sentido, entendemos o pensamento revolucionário comunista que sob o pretexto de fazer o bem aos pobres, roubam tudo para si.

Conclui-se então que sob muitos aspectos Nosso Senhor era um sujeito socialmente normal, inteligente e com a capacidade de compreensão do mundo. Se tinha barbas e cabelos cumpridos, acredito que é o único ponto nas escrituras que fica aberto, ainda não achei uma parte na Bíblia que dizia que era de olhos castanhos, de cabelo cumprido, e nem me parece que essa era uma preocupação dos discípulos relatar, tampouco é a minha.
Uma coisa pode-se dizer era que Jesus não era como João Batista visto que nenhum comentário sobre a aparência física dele foi enfatizado como do próprio João Batista.

Quem é Jesus? Filho de Deus, Deus também. Gerado e não criado. Consubstancial ao pai. Deus verdadeiro de Deus verdadeiro. O caminho, a Verdade e a Vida.


O caminho pelo qual chegaremos a salvação, a Verdade sem a qual vivemos, e Aquele em quem acreditando jamais morreremos. Todas as outras especulações sobre luta de classes, hippongas, revoluções são meras especulações vazias e sem fundamento.

domingo, 22 de maio de 2016

Confessai-vos Bem - Parte I


Conta-se que uma menina de sete anos tinha tido a infelicidade de cometer certos
atos impuros. Envergonhada, não ousou confessá-los na ocasião e nem mais tarde. Tendo
adoecido gravemente, chamou o confessor, recebeu o Santo Viático, a Extrema-Unção e
morreu! Todos, mãe, irmãs, e amigas lamentaram a sua perda, mas era para elas um conforto
julgá-la salva e santa. Porém, três dias depois do enterro, quando o Sacerdote se aproximava
do altar para celebrar em sufrágio de sua alma, sentiu que o seguravam pelo braço, e uma voz
triste e comovente lhe dizia baixinho: — Padre, não reze por mim porque eu estou condenada!
Condenada por certos pecados que ocultei na confissão desde os sete anos.

Fonte: Confessai-vos Bem. - Pe. LUIZ CHIAVARINO

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...